terça-feira, maio 21, 2024
No menu items!
InícioPolíciaMãe de aluna deixada seminua após ser agredida viu violência do lado...

Mãe de aluna deixada seminua após ser agredida viu violência do lado de fora da escola: ‘Não consegui salvar minha filha’

A mãe da adolescente de 15 anos deixada seminua após ser agredida com socos nas costas e puxões de cabelo disse que viu a violência ao ir buscar a filha, enquanto aguardava do lado de fora da Escola Estadual “Maria Matilde Castein Castilho”, em Glicério, interior de São Paulo. O caso foi registrado na terça-feira (26).

Em entrevista à TV TEM, a mãe, que não vai ser identificada para preservar a segurança da vítima, disse que estava na grade do portão, quando viu a filha sendo arrastada pelos cabelos, recebendo socos e com a blusa arrancada por uma das estudantes.

“A minha filha ficou nua na frente de todo mundo. E eu vendo aquela cena dói, mas não pude fazer nada. Me senti impotente, não consegui salvar minha filha. Depois, eu invadi a escola e vi minha filha chorando muito”, lembra a mãe.

Após quase dois minutos de violência, funcionárias da escola chegaram e conseguiram separar as alunas. Outro estudante foi atingido por uma carteira e machucou o pé. A motivação da briga seria um desentendimento por causa do irmão da vítima.

Suspeita de autismo

A mãe contou à TV TEM que a filha passa por tratamento neurológico, após suspeitarem que ela tenha autismo. Na semana passada, a mulher relatou que a menina já foi agredida, e que os episódios de violência entre os alunos são frequentes.

“Na semana passada, eu não levei a sério, porque achei que fosse coisa de adolescente. Hoje, chegando lá, eu vi a briga e, até agora, estou sem entender. Eu mando a minha filha para a escola com coração partido, com medo, porque ela tem autismo e sofre perseguição dentro da escola, bullying. Já não sei a quem recorrer”, lamenta a mãe.

Na ocasião, a vítima foi levada à unidade de saúde, onde recebeu atendimento médico. A Polícia Militar foi acionada. Um boletim de ocorrência por lesão corporal foi registrado, e a Polícia Civil investiga o caso.

TV TEM questionou a Secretaria Estadual de Educação sobre o caso. A pasta informou que repudia a violência, lamentou o caso e disse que as estudantes vão acompanhar as aulas remotamente nesta semana, após determinação do conselho escolar.

Conforme a pasta, as três funcionárias que acompanhavam a movimentação dos alunos apartaram o conflito. Uma reunião entre a vítima e uma profissional do Psicólogos nas Escolas foi marcada para quarta-feira (27).

A Diretoria de Ensino de Birigui (SP) designou um supervisor para apurar a conduta dos servidores no caso.

“A equipe do Programa de Melhoria da Convivência e Proteção Escolar (Conviva SP) acompanha o caso e irá implementar estratégias de conscientização sobre conflitos e cultura de paz na unidade escolar. A Ronda Escolar e o Conselho Tutelar também foram acionados”, finaliza a nota.

Please follow and like us:
Pin Share
Notícias Relacionadas

Mais Populares